ABOOH

Notícias

Associadas da ABOOH concorrem ao Caboré

Na edição 2017 do Prêmio Caboré, premiação tradicional organizada pelo jornal Meio & Mensagem há quase 40 anos, o setor de out of home (OOH) estará muito bem representado. A JCDecaux e Alexandre Guerrero,  sócio e vice-presidente comercial  da Eletromidia, associados da Associação Brasileira de Out of Home (ABOOH) concorrem, respectivamente, nas categorias Veículo de Comunicação – Plataforma de Mídia e Profissional de Veículo.

Enquanto a JCDecaux terá como concorrentes o Instagram e a Vivo Ads, Guerrero disputa a coruja mais cobiçada do Brasil com André Vinícius (UOL), e Paulo Marinho (Gloob/Viu).

Fizemos um ping-pong com as mesmas perguntas para ambos. Confira o depoimento de Ana Celia Biondi, diretora geral da JCDecaux Brasil, e de Alexandre Guerrero sobre as respectivas indicações ao prêmio, além da análise e perspectivas dos dois executivos sobre o setor de OOH:

Jogo rápido com Ana Celia Biondi

ABOOH: Como você avalia o fato do setor de OOH estar cada vez mais presente em grandes premiações como, por exemplo, o Caboré?

O segmento de out of home continua a crescer de forma significativa, apesar das dificuldades enfrentadas nos últimos anos. A indicação a grandes prêmios como o Caboré demonstra quanto o segmento voltou à cena com novos padrões, alinhado às necessidades e exigências de anunciantes que, muitas vezes, são globais e utilizam o meio em outros países. Trata-se de um novo cenário, onde profissionalismo é essencial, onde investir em qualidade é chave e onde, cada vez mais, é necessário entregar informação e dados, investindo em pesquisas e métricas, adequando-se cada vez mais às novas necessidades do mercado.

ABOOH: Por qual razão você acredita que a JCDecaux foi indicada?

A indicação ao Caboré na categoria “Veículo de Comunicação – Plataforma de Mídia” é um reconhecimento pelo trabalho sério da JCDecaux nesses 19 anos de atuação no Brasil, sempre acreditando no potencial do País e na força do setor out of home. Buscamos sempre nos adequar às exigências do mercado, alinhado com a as necessidades e exigências de anunciantes que, muitas vezes, são globais e utilizam o meio em outros países. Trata-se de um cenário onde profissionalismo e o investimento em pesquisas tornam-se diferenciais importantes.

ABOOH: Como a JCDecaux tem contribuído para o crescimento do setor?

O novo contexto do setor out of home exige mais estrutura e capacidade de investimento dos operadores de OOH, que ao final, acaba fortalecendo o processo de consolidação do mercado. O projeto MAPA OOH, esforço do segmento e no qual a JCDecaux é a maior financiadora, foi lançado em 2014, com o objetivo de trazer ao Brasil métricas de audiência para o setor de out of home com padrões internacionais de qualidade. Além deste projeto, o grupo investe também em pesquisas próprias, sempre com o intuito de oferecer mais informação sobre a força e efetividade de seus produtos. Em agosto, a JCDecaux lançou o maior estudo de geocomportamento do Brasil, analisando as características e diferenças das três gerações (Boomers, Geração X e Millenials) em nove capitais do País, sob uma ótica cartográfica, abandonando o conceito de que gerações apresentam um comportamento uniforme e provando que o local e o acesso à experiências influenciam fortemente como cada geração pensa, age, consome e vive. Tais projetos fomentam o crescimento e amadurecimento do setor.

ABOOH: Como foi o ano de 2017 para a JCDecaux? E quais as perspectivas para 2018?

O ano de 2017 foi especial. Estamos prestes a completar 20 anos de presença no Brasil, com crescimento acelerado nos últimos anos e conquistamos os dois contratos mais emblemáticos de 2017: a exclusividade nas linhas 1, 2, 3 e 5 do Metrô de São Paulo, que transporta mais de 4 milhões de passageiros diariamente; e o maior aeroporto da América Latina, em Guarulhos (SP), com mais de 36 milhões de passageiros por ano. Neste ano, também reforçamos nossa expertise na vida urbana, com o lançamento do maior estudo sobre geocomportamento do País, e a aposta no MAPA OOH, onde a JCDecaux é a principal financiadora do projeto que medirá a audiência do OOH nos mesmos padrões internacionais.

A expectativa para 2018 é muito positiva, tanto em crescimento orgânico dos contratos que já possuímos, como com a entrada de novos espaços.

Jogo rápido com Alexandre Guerrero

ABOOH: Como você avalia o fato do setor de OOH estar cada vez mais presente em grandes premiações como, por exemplo, o Caboré?

Nos últimos cinco anos, tivemos Elemidia e Eletromidia ganhando o prêmio, além de Ótima e JCDecaux indicados. De positivo esse movimento demonstra que estamos construindo um segmento maduro e sólido. O mercado reconhece não só o nível de profissionalismo das empresas, dos profissionais envolvidos e das ações que estamos fazendo via associação, mas tudo isso contribui na construção de um ambiente mais seguro e eficaz para as agências e anunciantes. Estamos vivenciando a formação das principais bases que irão nortear o mercado de OOH para os próximos dez anos.

 

ABOOH: Por qual razão você acredita que foi indicado?

Essa indicação é um reconhecimento do trabalho que a Eletromidia e nosso time vem fazendo no mercado publicitário, sou apenas um representante de uma empresa brilhante, que tem fome de crescer e um time competentíssimo, além de ser apaixonada pelo que faz.

 

ABOOH: Como a Eletromidia tem contribuído para o crescimento do setor?

Investimos muito, seja na compra de empresa, tecnologia, inovação, treinamento e capacitação da equipe. Temos hoje mais de 24.000 faces e 50% delas já são digitais. Todo novo projeto ou nova concessão demanda uma estrutura de CAPEX e treinamento de pessoal intensa. Ser um dos líderes desse processo de consolidação do setor permite uma oferta de mídia, estruturada, organizada e padronizada. Assim, conseguimos hoje entregar soluções mais completas aos anunciantes. Isso contribui para o fortalecimento do meio como um todo. Ainda tem o trabalho da associação que é chave nesse processo. Cito a parceria com o IVC e o projeto de métricas de audiência como dois pilares dessa nova indústria que apoiamos e participamos ativamente das iniciativas.

 

ABOOH: Como foi o ano de 2017 para a Eletromidia? E quais as perspectivas para 2018?

Esta sendo ainda, pois 2017 tem sido um ano intenso e de resultados positivos. Nos tornamos sócios da TV Minuto que opera as linhas 1,2 e 3 no metrô de São Paulo e recentemente assinamos um contrato com o RIOgaleão, marcando a nossa entrada no segmento de aeroportos. Procuramos não participar da crise econômica e redobramos nossa agenda de trabalho. Conseguimos consolidar o conceito de plataforma (oferta de mídia integrada) nos clientes, trouxemos vários novos anunciantes para o meio, aumentamos nossa participação nos clientes, lançamos novos produtos no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Além disso, nossa Área de Inteligência de Mercado hoje trabalha realmente de forma integrada com o time comercial.

Para 2018 as perspectivas são boas. Além da melhora do quadro econômico, temos eleição e Copa do Mundo, dois eventos que historicamente alavancam nosso negócio. Em especial para Eletromidia temos como objetivo entrar em uma nova divisão de negócios, além de concluir o investimento em outros dois no médio prazo. Temos como meta buscar 10% de share nos próximos 3 anos. Esse é nosso desafio.